sábado, agosto 25, 2007

Brisa do mar pairou no meu pequeno deserto por causa das ervilhas tortas...

WWW
WWW
WWW



Tudo começou quando meu deserto era ainda entre os livros, manchas margens e noções de espaço, refile, encadernação, senso motor e espacial e todas aquelas coisas que o curso de editoração passa para o aluno, de longe cobiçava a pequena entrada mas tão grandiosa.

Atrás daquela porta estava meu desejo mais secreto e escondido. Ai eram feitos todos os tipos de comida, uma cozinha experimental, novinha como um bebe, ali tão perto e ao mesmo tempo longe. Curiosa ficava no aquário olhando, tentando entender o que a leitura labial me trazia da aula.

Nunca vou esquecer aquele homem alto e ruivo, sua voz inaudível, era como estar surda, tentava assistir a aula do corredor, acompanhando tudo do globo de vidro a minha frente, sem som, restava espaço para outras sensações...

O peru fica mais macio e úmido se for descongelado na geladeira, lentamente. O descongelamento rápido faz com que o peru perca muito do seu líquido, entenderam?”

Meus olhinhos brilhavam vendo tudo aquilo, mas a vida era outra e tinha que voltar para aula de encadernação manual e gráfica.

Dez anos se passaram e hoje, reencontro com aquele ambiente tão “desejado” e no dia-a-dia do restaurante moderninho, estou aprendendo e reinventando a minha própria rotina.

Pilhas de pratos intermináveis, todo o tipo de ajuda possível, decoração de pratos até passar pano de chão. Toda essa experiência não me causa um sentimento de inferioridade, pelo contrario me sinto satisfeita em estar ali...

A minha grande oportunidade de chegar mais próximo do fogão foi na quinta, - salve a quinta-feira! - A auxiliar havia faltado, estava ali fazendo de tudo um pouco. Todo o pré-preparo. Passava do meio dia quando o corre-corre da rotina que cerca a cozinha aumentou.

Estava executando uma das tarefas que a chefe havia me passado, dedicando-me a cada corte, a cada pedaço de cebola, cenoura com uma emoção inexplicável. Algo que até agora não sei direito como definir... tinha chegado o mais perto do que imaginaria um dia chegar!

É impressionante ver como tudo acontece tão rápido, para minha satisfação e surpresa o que parecia tão distante aconteceu...

“ - Prepare um recipiente com água e gelo! Ta vendo aquele caldeirão grande ali no fogão?

- Sim!

- É água fervendo. Pegue essas ervilhas tortas e deixe por uns momentos, depois escorra e coloque no recipiente que preparou. Agora! Agora! “

Meu coração estava aos pulos, não tive muito tempo para pensar ... tudo tão rápido...

Fui despejando a ervilha torta com movimentos lentos, cuidadosos e confesso, temerosos, um tarefa tão simples, que fez se abrir um buraco em mim e o que era deserto se transformou em uma tímida brisa de mar..

Não contive a emoção e chorei..

Uma sensação de alivio por ter tido a coragem, oportunidade de transgredir todas as minhas regras iniciais de formação. Renegar todos os livros e revistas que tinha na minha mesa um dia para estar ali no fogão.

4 comentários:

Lú disse...

Será que um da vc vira livro? ai pronto une tudo e todos ficamos felizes... Quando vem prá cá?

Maricota disse...

Agora sim, posso e consigo dizer do meu orgulho mas somente porque o blogger deixou.
Você já sabe.
Beijos

Anônimo disse...

Nada como comenzar a caminar... quer rico son las arvejas...
Felicitaciones de Bogotá..

Besos
Bira

Carolina disse...

Muito bem Chefe Taty! Ervilhas tortas com lágrimas de olhos bonitos e felizes devem ter ficado ótimas!
Um beijo